sexta-feira, 31 de março de 2017

O "romeo"


Além de ter criado um blogue de homenagem a Romeu Correia, o Grande Escritor de Almada, no ano do centenário do seu nascimento, também publiquei um fanzine (já saiu o número um), "romeo", onde procuro publicar textos e poemas inéditos sobre esta grande figura da literatura local.

Publiquei um texto e um poema da minha autoria. E contei com as preciosas colaborações de Clara Mestre, Edite S. Conceixa, Elisa Araújo, Fernando Barão, José do Carmo Francisco e Orlando Laranjeiro.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

A Semana do Amor em Almada (2)


E agora vou publicar as quatro quadras que publiquei no caderno, "Corações Cheios de Poesia (quadras de amor dos poetas da scala)", que são sobretudo um jogo de palavras rimadas:


Por onde Ela passa
Irradia alegria e paixão
E o seu sorriso cheio de graça
Faz bater o nosso coração

Eu finjo que um dia
Ainda vou te amar
Por sentir amor e alegria
Quando fixo o teu olhar

A rosa é a nossa flor
Cheira, floresce e brilha
Como este nosso amor
Que é a quinta maravilha

Amor estou à espera
Debaixo da tua janela.
Mas quem espera desespera
Mesmo que sejas a Cinderela


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

A Semana do Amor em Almada (1)


O Museu da Cidade de Almada está a organizar entre os dias 13 e 19 de Fevereiro, a "Semana do Amor", com a colaboração do movimento associativo local.

A SCALA participa na iniciativa e eu organizei dois pequenos cadernos, um com poemas de amor e outro com quadras de amor.

Têm ambos o mesmo título, "Corações Cheios de Poesia".

Este foi o poema que escrevi para o primeiro caderno:

Aquele Amanhecer Único

Olhei-te e recordei
aquele amanhecer único...

Não pregámos olho nessa noite,
andámos de festa em festa,
até os bares fecharem.
Os amigos também foram voando,
quando olhámos um para o outro,
restávamos apenas os dois...

Não sei se bebemos mais que a conta...
muito menos qual era a nossa conta.
Sei apenas que deixámos o carro em qualquer lugar
e fomos esperar a madrugada
à beira da Lagoa...

As coisas que fizemos,
enquanto o dia não clareou...

Depois olhámos abraçados,
aquele amanhecer único...