segunda-feira, 20 de junho de 2016

O Milagre da Rua Direita


"O Milagre da Rua Direita" é um pequeno texto teatral, dividido em dois quadros, inspirado nas conversas de um grupo de amigos com quem almoço às segundas-feiras.

Embora eu saiba que isso nem sempre aconteça, o meu "Milagre" consegue oferecer uma explicação plausível do que aconteceu ao pobre António...

segunda-feira, 6 de junho de 2016

A História das Tertúlias da SCALA no Dragão Vermelho


Actualizei o folheto quer tinha feito durante a comemoração do 10.º aniversário das Tertúlias da SCALA no Café Dragão Vermelho em Almada, agora com todos os encontros que se realizaram em Almada (a Tertúlia ainda durou mais dois anos...).

O folheto com todo este historial foi distribuído na tarde de sábado, durante a palestra, "Café Dragão Vermelho, Espaço de Histórias e Culturas", realizada na nova sede da SCALA.

terça-feira, 22 de março de 2016

A Poesia dos Poetas da SCALA


Como tem acontecido nos últimos anos, voltei a organizar um caderno de poemas com as palavras de alguns poetas da SCALA, na Comemoração do Dia Mundial da Poesia. Eu escrevi um quase fado...

Amor de Inverno
  
Escreveste-me um desabafo
falaste-me de ti e de nós
de não passares de um farrapo
agora que estamos sós.

Desenhaste as madrugadas geladas
a chuva que lava as ruas
as lágrimas derramadas
de tantas saudades minhas e tuas

Escreveste sobre a melancolia
que ocupava o teu dia a dia
querias saber se eu também sofria
dessa mesma melancolia…

Logo logo vou responder
a esta tua carta tão sofrida
porque não te consigo esquecer
nem sarar esta nossa ferida

E sim, conheço a melancolia
que me persegue sem piedade
que me agarra na manhã fria
e deixa louco de saudade

                                     Luís [Alves] Milheiro

sábado, 5 de março de 2016

Homenagem a "Sérgio Malpique, o Cidadão e o Desportista (1916 - 2016)"


Uma das minhas participações na homenagem a Sérgio Malpique, na passagem do seu Centenário, foi a publicação de um folheto biográfico, que foi distribuído a todos os almadenses que apareceram hoje no novo auditório da Academia Almadense.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Chico, um rapaz de Almada


A minha última criação literária foi um pequeno caderno com um texto biográfico de homenagem a um amigo, Francisco Gonçalves, que é um dos melhores actores amadores do Concelho de Almada.

Escolhi o título "Chico, um rapaz de Almada" de uma forma carinhosa, porque se trata do "retrato" de um homem, que apesar de todo o seu valor, é de uma simplicidade e generosidade raras. É alguém, que continua a ter muitas daquelas coisas boas que deixamos ficar na infância e adolescência, estupidamente...

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Um Presente Inesperado


Penso que ainda não falei por aqui do Conto de Natal que escrevi em 2010 e  intitulei, "Um Presente Inesperado". 

Trata-se uma história muito actual (na dificuldade dos jovens em arranjar um primeiro emprego...), que retratava o drama de um jovem, que pensava partir para o exterior, já que o trabalho era um bem cada vez mais escasso no seu país, graças a um capitalismo cada vez mais selvagem.

O seu encontro fortuito com um empresário antigo numa montra lisboeta, fez com que este oferecesse o melhor dos presentes ao recém-licenciado: um emprego...

domingo, 25 de outubro de 2015

Ainda António Henriques


Um dos textos mais preciosos da biografia que escrevi com o meu amigo Carlos Guilherme, sobre o seu pai, António Henriques, é um conto que agora resolvi transformar num pequeno caderno, para que não passe tão despercebido como tem passado até aos nossos dias.

Escrevi o seguinte no primeiro parágrafo da pequena nota de abertura: «Este conto biográfico escrito por António Henriques é uma das coisas mais significativas que ele escreveu (pelo menos se o olharmos numa perspectiva mais intimista e pessoal...), porque nos oferece, quase de mão beijada, a história do seu amor pela Incrível Almadense e pela Música.»

E é mesmo isso, uma história de amor que se tornou eterna...

sábado, 17 de outubro de 2015

Teatro para o António


Durante as comemorações do Centenário de António Henriques estava previsto um espectáculo de música, poesia e teatro, em sua homenagem, que acabou por ser cancelado.

Entre outras coisas tinha escrito dois quadros de teatro, inspirados na sua vida. "A 1812 de Tchaikovski (ou o  "Cão Tchaikovski")" e "O Caçador de Tesouros da Incrível", que deveriam ser encenados pelo Cénico Incrível Almadense.

Apesar das peças não terem sido representadas foi feito um caderno com os textos dramáticos, para memória futura.

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Uma Evocação Especial


Maria Barroso foi a prefaciadora de um livro coordenado pelo meu amigo Carlos Garrido, com "25 Olhares de Abril" (inclusive o meu...).

Transcrevo algumas das palavras, que de alguma forma a definem, como mulher culta e sensível. 

«Não queria destacar aqui nenhum dos autores - alguns nomes conhecidos pela sua projecção no sector da cultura sobretudo - para não minimizar os que o não são. E seria desastrado e injusto fazê-lo, porque todos eles nos transmitem, de uma maneira mais ou menos rica e sugestiva, os sentimentos e grande emoção que inundaram os nossos corações de portugueses amantes de sua pátria, ávidos que estavam de liberdade, sonhadores  de há muito com um Portugal democrático, onde os Direitos Humanos fossem respeitados e vividos.»

terça-feira, 16 de junho de 2015

O Meu Novo Livro


No próximo sábado será apresentado o meu último livro, escrito com o meu amigo Carlos Guilherme.

Trata-se de uma biografia de um grande associativista almadense, António Henriques, no ano em que se comemora o seu centenário.

Também lhe dediquei um poema:

António, Um Homem Incrível
  
António, olho para ti como a Alma Incrível
O Homem que fez com que tudo seja possível.

O músico da banda do brilho e glória
O dirigente da excelsa memória
A voz exaltante da nossa história.
O melhor exemplo desta paixão
Que nos enche e irradia o coração
E faz com que nunca digamos, não,
À nossa Incrível, casa de fraternidade
Farta em rostos que irradiam amizade
E onde sempre se respirou liberdade.

António estás sempre presente na Incrível
És o único que permanece insubstituível.

Luís Milheiro

sábado, 25 de abril de 2015

Abril Sonhos Mil


Um poema de Abril do caderno de poemas, "Abril Sonhos Mil", que publiquei em 2005. 

Abril Depois de Abril

Abril é um poema sem idade
Que invade o sonho dos poetas
E lhes lembra a Praça da Liberdade
Que encontraram de portas abertas

E percorreram de mãos dadas
No meio da multidão
Abraçaram as Forças Armadas
Deram vivas à Revolução

Saudaram os capitães-coragem
Erguendo um cravo encarnado
E gritaram de punho fechado
Já chega de malandragem!

Luís Milheiro